GOVERNO

Como agências e entidades governamentais podem preparar-se tecnologicamente para a temporada de furacões.

Os planos de emergência dependem intensamente de tecnologias que possam oferecer conectividade. Este artigo detalha como a conectividade por satélite contribui a resposta e planificação efetiva em situações de emergência.

Cada ano múltiplos desastres naturais ocorrem em todo o mundo: um grande desafio para os governos, organizações não governamentais (ONGs) e todas as entidades humanitárias que se dedicam a prevenir e atender suas consequências. Jeff Schlegelmilch, diretor adjunto do Centro Nacional de Preparação de Desastres da Universidade de Columbia prevê que para 2030 os custos de assistência humanitária associadas a fenômenos naturais aumentaram a 50 bilhões de dólares anuais.

A tecnologia que permite a comunicação é parte fundamental dos planos de emergência frente aos desastres naturais que ocorrem cada ano. Neste artigo mostraremos como a conexão contribui para o planejamento estratégico para salvar vidas e diminuir danos.

Volunteer showing content to refugee children in Congo.

Estabelecer um plano de emergência

As agências governamentais e organizações trabalham duro nos planos de contingência. O recrutamento ou preparação prévia inclui antecipar-se a possíveis desastres de forma que os diferentes atores saibam como executar os protocolos de emergência. Tais planos podem incluir diferentes medidas:

● Alimentar a informação em nuvem para que esteja alojada em servidores localizados fora de lugar de risco, assim a informação estará salva e as equipes de ajuda poderão acessar-la de telefones móveis ou tablets.

● Organizar procedimentos de intercâmbio de dados com outras organizações e garantir que os centros de refúgio tenham conexão estável.

● Ter um sistema capaz de enviar mensagens de advertência aos celulares dos cidadãos e de responder alertas de emergência.

● Facilitar os negócios que retomem rapidamente suas actividades. Os comércios podem ajudar inclusive, ao manter suas portas abertas e estar dispostos a compartilhar serviços de apoio (back-up) e equipamentos. Assim mesmo, como grande parte das perdas econômicas ocasionadas pelo desastre serão assumidas pelos negócios locais, eles poderão estar interessados em fazer parte e financiar parcialmente os planos para restabelecer a conectividade.

Já que estes planos dependem da conectividade para uma efectiva coordenação, é importante preparar os sistemas e comprovar que funcionem corretamente e que as equipes de assistência possuam a infraestrutura necessária em matéria de conectividade. Quando ocorre um desastre natural, as redes de fibras terrestres tendem a cair ou falhar; a interrupção da comunicação pode durar de minutos até meses. E por isso que estabelecer um plano que seja facilmente ativável para atender estas interrupções é fundamental para salvar vidas e proteger a infraestrutura pública. Investir em um plano de emergência pode ser visto como um seguro para quando a sobrevivência dos habitantes dependa disso.

Investir em conectividade por satélite

Existe uma solução frente a destruição das redes de fibra terrestre: a implementação de um serviço de conectividade por satélite. Restabelecer a conectividade em tempo record e obter a confiabilidade desejada é possível contando com a conectividade por satélite. Os serviços SES Networks disponibiliza uma cobertura global, infraestrutura em rede, capacidade de transmissão e equipamentos portáteis que fácilmente socorrem aos grupos de ajuda em meio a seus planos de emergência. A capacidade de coordenar e atuar frente a uma catástrofe é maior quando se conta com um serviço desse tipo, já que o satélite está ligado a servidores existentes que já têm sido testados e pré configurados para responder ante situações críticas.

 

O serviço de SES Networks composto por satélites de órbita média (MEO) e órbita geoestacionária (GEO) permite, além disso, rápida comunicação entre os afetados e os grupos de emergência, o que facilita o resgate, dado que por essa via se compartilha informação no momento e dados de suma utilidade para priorizar as ações de resposta. As vítimas, por sua vez, terão a possibilidade de comunicar-se com seus familiares e pessoas queridas graças a que se habilitam zonas de cobertura WiFi e internet 3G y 4G/LTE.

 Soldier behind windscreen of red cross army ambulance.

A conectividade por satélite, facilita a comunicação com especialistas localizados fora da zona de desastre e garante que todos as equipes estejam interconectadas, médicos, bombeiros, socorristas, equipe de segurança com os departamentos do governo e vice versa, além de apoiar seus sistemas de logística e gestão de recursos que estejam em nuvem, sem importar em que parte do mundo esteja. Quando falham as conexões terrestres, a tecnologia por satélite asegura que las aplicações de gestão de crise permaneçam online e funcionem em alto nível em todos os continentes.

SES Networks conta com uma ampla reputação quando se trata de proporcionar serviços de conectividade por satélite aos sistemas de comunicação de emergência existentes. Um dos casos de êxito é o Emergency.lu, uma plataforma aplicada 56 vezes desde 2012, incluso quando o furacão Maria assolou a Porto Rico em 2017.

Fácil de instalar e compatível 100% com os sistemas existentes e sem necessidade de manutenção já que os técnicos se encarregam de fazer o serviço de conexão diante de emergências da SES Networks é ideal para ajudar as agências governamentais e ao resto das organizações em situações de catástrofe. Pese a que uma tragédia natural deste tipo não pode ser evitada, implementar a solução integral de SES Networks para conectividade em momentos de crise pode ajudar a salvar vidas e minimizar os danos e prejuízos em qualquer parte que seja requerida.

Saiba mais
*Conteúdo disponível apenas em inglês.